lobo e lua

lobo e lua

22.4.08

Estrada do Mato Alto


Chico PF
(Francisco Paula Freitas)


Caía a tardinha, lá vinham os dois. Às vezes de ônibus, quase sempre de bonde. Ele, empertigado em sua magreza, chapéu na cabeça, gravata com laço grande e bem folgada ao pescoço, sentado, a bengala entre as pernas, de vez em quando cruzava as mãos sobre o seu castão e apoiava o queixo pontudo.

O menino lia em silêncio os cartazes do veículo e vez por outrafazia uma pergunta que o velho respondia escondendo um meio sorriso, achando graça e gostando da curiosidade esperta do neto.

Chegavam. Na porta da vila, antes de entrar, ele se voltava à igrejinha que ficava logo ali, no final da elevação da rua, tirava o chapéu, encostava-o ao peito e balbuciava umas palavras a Deus, que o menino, embora não entendendo o que significavam, respeitava silenciosamente. Nesses momentos, o garoto olhava para o avô e percebia, em seus olhos, lágrimas, que vinham da comunicação entre eles, ambos deuses.

Cumprindo o ritual, entravam na vila e, uns quarenta passos depois, estavam em sua casa. O velho balbuciava novas palavras incompreensíveis ao quadro do Cristo pregado no alto da parede, em frente à entrada, tirava o paletó e mantinha a gravata afrouxada. Fazia umas graças aos presentes e, em seguida, sentava para a sua pequena refeição.

A filha mais velha, que ansiosa os aguardava, beijava-o, despedia-se dele, dos irmãos e da mãe, pegava o seu menino que acabara de chegar e iam embora. Isto era uma rotina. Mas esta era uma outra história.

Naquele dia, já eram quase oito horas da noite e ainda estavam na rua. No bonde aceso e barulhento, que, com a luz amarela, iluminava a rua larga e escura por onde passava, iam o avô e seu neto pelo sertão carioca.

Na zona rural, as ruas mal iluminadas ajudavam a lua cheia a flutuar bem baixo, quase ao alcance da mão. Apesar do verão, o veículo aberto, em ligeiro movimento, dava frescor e tornava a viagem agradável. Menino e velho iam em silêncio. Nas curvas que fazia — viajavam no reboque — o bonde, volta e meia, deixava entrever a lua. O que para o avô era poesia, encantamento, uma lembrança talvez, para o menino era uma novidade. Sair de noite. Que bonito era o luar na roça, como podia ser grande a lua!

O episódio ficou gravado na memória do menino, pois a aventura não era comum. Na rua ainda àquelas horas! A claridade do luar iluminando os amplos capinzais entre as casas espaçadas, uma aqui, outra ali, que no sertão era assim, o bonde, serpenteando devagar, a mão amiga, segura e morna do avô em sua mão, eram coisas que iriam ser de difícil esquecimento. No dia em que aprendeu o significado da palavra esplendor, lembrou-se daquele momento.

O menino, agora pai e homem maduro, visita o primo. Conversam, falam da infância, do passado e bebem. Entre umas e outras, o primo diz:

— Sabe aquele retrato do nosso avô, que ficava na sala de jantar? Está comigo.
A despeito de já se terem ido mais de trinta anos, não era difícil provocar a memória. Havia de fato, entre outros, um retrato do avô pintado a óleo por um consagrado pintor alemão da primeira metade do século passado, que vivera na região serrana. O quadro era de alto valor artístico. Além disso, valia um bom dinheiro.

A tela é trazida à sala. Estava sem a moldura original, que o cupim dera cabo. Ambos, em silêncio, olham o quadro que acostumaram-se a ver quando meninos. Ali estava o rosto de um homem moço, que teria de envelhecer para se tornar o avô do menino que ainda iria nascer, conhecê-lo e amá-lo.

Mas lá no retrato já estava definido o perfil que o acompanhou até o fim da vida: o grande nariz de Dante, romano, adunco, e o queixo pontudo, um tanto prógnata, comum aos bruxos.

O primo, de supetão, diz:

— Leve, é seu. Ele gostava mais de você.

Era verdade e ambos sabiam disso. Aceitou em silêncio e, mais emocionados, beberam mais. Saiu feliz com a tela e lembrou que deveria homenagear o avô. Uma boa e adequada moldura deveria completar o retrato e ele trataria logo de encomendá-la.

Quis o destino que um dia, ao voltar para casa, passasse, por acaso, naquela rua do sertão carioca que, por mais incrível que possa parecer, sem grandes transformações, está praticamente igual à em que, de bonde,viajou com o avô, na linda, fresca e inesquecível noite de luar. Continuam lá os matagais entre as casas espaçadas, uma aqui, outra mais adiante. A lua está lá, brilha reluzente e derrama prata sobre o capim-navalha.

O que há tempos foi menino vai conduzindo o automóvel em direção à sua casa. Relembra e reconstitui a antiga viagem. Já não existe mais o bonde, o frescor daquela antiga noite é substituído pelo ar-condicionado do carro. Não consegue conter a emoção quando, em um repente, lembra que o velho avô viaja com ele.

Não passa agora de um retrato embrulhado no porta-malas.

Do livro "Café e Bar Ponto Chic"- Editora Bertrand Brasil

26 comentários:

Nathália disse...

Essa coisa de lembrança e tal, nossa... às vezes bate até uma tristeza. Pois embora tendência seja melhorar, com relação a lembranças, quase sempre a vontade é de voltar no tempo.

Beijo!

Bia disse...

Por esse conto já dá para perceber a emoção que vai nos inundar a alma e a ternura que chegará ao coração com a leitura de todo o livro.

Grata por esse momento lindo, amigo, com que nos presenteaste.

Ficam sorrisos e pétalas para enfeitar tua semana, e um beijo do meu para o teu coração, com carinho.

disse...

Ai, que bonito! Algumas lembranças são tão fortes e tão bonitas que deixam em nós um tremendo vazio, como se faltasse um pedaço.

Bjo

Adri /Dri /Drika disse...

Certas coisas mudam, mas as antigas continuam em nosso coração pra sempre... muito bonito o texto... Bjoka

Nadezhda disse...

"Já não existe mais o bonde, o frescor daquela antiga noite é substituído pelo ar-condicionado do carro".

Mas a lembrança é algo que nunca se perde!

(Bill, já estou lendo o Polanski!)

;)

tita coelho disse...

Gostei! Lembranças sempre nos reportam a outros tempos, e é bom demais isso!
beijos

Daniela Filipini disse...

Oooi Ooii ^^
tudo beem?
é, eu admito que não li seu post todo ^^
só uma parte lá em cima... Tô sem tempo e tenho 21 comentarioos pra responder.. hehe
tenho certeza que está perfeiiiito
beiijo ;*

Lih disse...

oi bill!

entao.. as negociacoes comecaram..rs. jah mandei as figuras pra ela.. mas acho q ela tah um pokinho sem tempo.. mas td bem!... pelo menos vou ter um template meu!..rs

bjjoooo

Amanda Bia disse...

só passei p/ dizer que fiz o template da Alice! Ela ainda não viu, então não sei se gostou! mas olha lá: http://realismoconvincentei.blogspot.com/

beijos!

Teresa disse...

não tenho nada pra dizer, a não ser que achei o texto lindo.

Nostálgico, mas liiiiindo\!

=*

Sheherazade disse...

Bem tocante, esse conto. Só não concordo com a frase final, porque fica bem evidente que esse avô, mesmo hoje, não é apenas um retrato embrulhado no porta-malas do carro ... É uma lembrança vívida e pungente de uma infância saudosa e feliz, como são as infâncias vividas no interior.
Bonito demais, Bill!

Muitos beijos.

Lih disse...

obaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

chegou meu template!!!! =DD

obrigada bill!!!

bjoooooos!

gabimazzei disse...

Lindo e triste. Aliás, como eu (ahahahaha convencidaaaa).

Ricardo Rayol disse...

maravilhoso, um dia escreeverie assim

TOOP disse...

uau!!
incrivel o texto!
=*
Adorei!!

letícia bersot disse...

oun, tá lindo o texto *-*
se foi você mesmo que fez parabéns!
^^

é realmente umt exto muito bom para se pensar nas coisas né?!

Beeeeijos

carla granja disse...

ola amigo. ainda bem k nao me esqueceste eh,eh,eh.. sim eu ainda tou no canada parto dia 7 de maio para portugal
olha eu me enganei e te dei o meu hi5 mal agora te dou o correcto para tu me adicionares
http://carla-granja.hi5.com
espero k me adiciones e obrigado pelo aviso
bjos
carla granja

Links & Sites - Seleção dos Melhores Sites do Brasil! - disse...

L i n k s & S i t e s
Seleção dos melhores Sites do Brasil!
http://www.lksites.com

Parabéns pelo seu Blog!!!

- Link Atualizado. Ok!

Você continua fazendo parte da maior e melhor
seleção de Sites do País!!! - Só Sites Premiados -
Selecionado pela nossa equipe, você está entre
os melhores e mais prestigiados Sites do Brasil!

O seu link encontra-se no item:

" CANAL 3 " => Blog => Letra J

- Os links encontram-se rigorosamente
em ordem alfabética -

Um abraço,
Dário Dutra

http://www.lksites.com/
....................................................................

Kamilla Barcelos disse...

Achei lindo esse post!! Adorei ler, ele me prendeu do inicio ao fim!

Sonia Regly disse...

Vimconvidá-lo a conhecer o Compartilhando as Letras.Sua visita muito me honrará.Aguardo vc lá!!!!

Yvonne disse...

Bill querido,

Estou tomando a liberdade de enviar um comentário padrão para todos os blogs que eu amo de paixão. O motivo é que resolvi encerrar o meu blog por motivos pessoais. Não tenho mais condições de participar da blogosfera do jeito que eu gosto, mas não vou ficar para todo sempre distante. Por favor, leia o meu último post que explica a minha razão. Informei que vou usar o seu cantinho quando quiser escrever alguma coisa, tá?

Beijocas

Yvonne

JuJu disse...

Ai que lindoooooo! Se esse conto já é bom demais, imagine então os outros do Chico PF...
Passe lá no meu blog e deixe seu comentário!!!!

Nataliinha disse...

Nossa, ao mesmo tempo q ela é triste é linda e emocionante ...


Bjs =)

Dominique disse...

Que deliciosa e tocante viagem pela memória.
Nostálgica e doce lembrança de uma época que muitas vezes não se valoriza: a época de nossos avós...

Resgatar, mesmo que apenas num trecho de livro, é manter cada uma dessas pessoas ainda próximas a nós...

Um abraço, Bill, e boa semana!

Mary West disse...

Melhor mesmo guardar tudo na memoria, um local mais seguro para as mais antigas lembranças.

Auréola Branca disse...

Valorizar cada minuto. Eis o que faço para amenizar a saudade que virá depois.
Abraços...