lobo e lua

lobo e lua

8.9.10

Ídolo

Chico PF
(Francisco Paula Freitas)

O pior, amigo, é que a gente só chama a polícia depois da porta arrombada. Eu não precisava passar por nada disso, de puxar cadeia, sujar meu nome e quase estragar a minha vida. Tinha ali mesmo do meu lado, como exemplo, o meu pai, Jorge Veneno, que eu posso até estar errado, mas nunca vi ninguém mais malandro que ele.

Eu era filho único e, quando era pequeno, ainda não sabia nem ler, já ajudava minha mãe a separar as muitas letrinhas daquelas massinhas de fazer sopa. Era demorado, vinha muito a-e-i-o-u, mas as letras dele eram mais difíceis, o J então! Tem poucas palavras com a letra jota, não é, doutor? Acho que é por isso que vinham poucas. Em cada meio quilo só umas trinta ou quarenta, já do V vinha mais...

É isso mesmo que eu estou dizendo ao senhor: minha mãe fazia sopa de letrinhas para o meu pai só usando o J e o V, que são as iniciais do nome dele. Não jogava o resto fora, com as que sobravam, em outra panela, ela fazia para nós. Na hora dele jantar eu ficava de antena ligada só para ouvir a conversa, mas não pegava quase nada. Só dava para perceber que eles eram felizes porque riam muito. Agora eu pergunto: isso é ou não é malandragem? Ter uma mulher que faz sopa de letrinhas só com as iniciais do seu nome!

O doutor precisava ver a alegria dele tomando aquela sopa, que a velha caprichava no tempero, com cebola, alho, tomate, e tinha sempre um pedacinho de paio. Isso nunca faltou. Hoje eu fico pensando naquele crioulão de quase dois metros, rindo e feliz, tomando sopa, só com as suas letrinhas J e V.

Papai era lustrador de profissão. Ele mesmo preparava o verniz com a goma-laca asa de barata, a cola de madeira e o breu. Fazia no fogão lá em casa mesmo. Minha mãe vivia brigando por causa do cheiro. Era horrível. Depois que inventaram esse negócio de envernizar com pistola ou verniz sintético, e qualquer um passou a ser lustrador, aí a coisa apertou. Não havia mais quase trabalho. Foi uma pena. O velho era brilhante. Gostou dessa, doutor?

Às vezes eles mandavam eu comprar qualquer coisa. Sabe como é, o barraco era pequeno: cozinha, sala, quarto, tudo junto. Naquele tempo a barra era pesada, não era essa moleza de tijolo e telha, era caixote e zinco mesmo. Outro dia vi em uma revista no barbeiro que os bacanas agora também têm apartamentos assim, quarto, mesa, cama, armário, latrina, tudo junto. É um tal de lófiti. Não sei por que os ricos têm essa mania de imitar a gente... A gente faz por necessidade.

Como eu estava dizendo, mandavam eu comprar vela, sabão e querosene. Quando tinha querosene, que era mais longe, eu desconfiava, me demorava mais ainda e aí eles tinham mais tempo, não é? O doutor está me entendendo...

Vou lhe dar mais uma do meu pai. Ele nunca soube a diferença entre um pé de alface e um de couve; entre uma dália e uma margarida. Não é que ainda assim conseguiu que arranjassem para ele um emprego de jardineiro no quartel de São Cristóvão? Lábia e lero é com ele mesmo. Ainda bem que lá não tinha flores nem horta. O trabalho era cortar a grama do campo de futebol, fazer as beiradas, os cantinhos e os arremates nos outros gramados. Isso, inteligente, ele aprendeu logo.

A grana não era a mesma de antes, mas sabe como é, não é, doutor, pouco com Deus é muito. E depois era garantido, tinha segurança. Como milico gosta de grama, doutor! Era tudo verdinho, às vezes ele me levava lá. Mas olha só, meu pai sempre foi vaidoso, ia para o trabalho todo embecado, que minha mãe fazia de tudo para ele ficar bonito. Terno branco só tinha um, mas sempre muito bem lavado e passado. A velha caprichava no tanque, na goma e no ferro de carvão, e lá ia ele todo elegante. Chegava no quartel, tirava o terno e o sapato bico fino, colocava o macacão e o tamanco, e já pra luta!

Ele tinha um armário com cadeado e deixava tudo lá, guardado. Trabalhava de sol a sol com aquela máquina manual de cortar grama, aquele tesourão e uma pequena enxada de mão, para fazer as beiradas e os cantinhos.

À tardinha, tomava seu banho, ia ao armário, abria o cadeado, e saía todo bem vestido novamente. Mas não é que tem sempre alguém invocando com a cara da gente! Um dia ele ouviu um papo de que um novo capitão, um branquelo de merda, teria comentado que esse tal de Jorge Veneno era muito metido a besta, que esse negócio de jardineiro andar de terno e gravata não era coisa que o Exército deveria permitir.

Disse também umas outras coisas que fizeram o velho sentir que iria dançar logo, logo. O quartel inteiro já comentava a antipatia do capitão pelo meu pai, quando um dia... Eu estou lhe enchendo o saco, doutor? Se quiser eu paro.

Não? Então, como eu ia lhe dizendo, um dia o capitão, ao chegar ao quartel, depois de responder à continência do sentinela, andou uns quatro ou cinco passos e caiu fulminado. Morto, mortinho da silva; colapso cardíaco, doutor. Bateu com as dez.

No dia seguinte ao acontecido, meu pai demorou a voltar e, ao chegar em casa, estava muito suado, pois vinha carregando um embrulho enorme. Quando abriu em cima da mesa, mamãe quase deu um ataque e gritou, Jorge, tira isso daqui! Sabe o que tinha dentro, doutor?

Imagens de Exu, de Nanan Buruquê, de Xangô, de Iemanjá e da sua mãe Olokum, de Ogum Xoroquê, o Seu Tranca-Ruas, de Omulu e do Zé Pelintra, por quem meu pai tinha uma especial simpatia, acho que mais pela elegância do que pela fé. Também lamparinas, folhas de papel crepom vermelhas e pretas, fogareiro de barro, tigelas, uns galhos de andiroba, umas velas grossas e outras finas, caixas de fósforos, charutos, uns ferros e uns saquinhos com uns pós estranhos.

Nós somos pobres e pretos, doutor, mas os velhos são tementes a Deus. Lá em casa não tem nada disso de macumba, não. Houve uma época em que mamãe tinha muita dor de cabeça. Minha tia disse que ela estava com “encosto”, que ela era médium e precisava se desenvolver. Pra quê!? Mamãe ficou um tempão sem falar com ela. Mamãe foi, bem dizer, criada por uns alemães que nunca quiseram saber dessas coisas. Depois que o velho explicou tudo a ela, foram dormir.

Dia seguinte, papai, bem cedinho, mais cedo que nos dias comuns, acordou, pegou tudo, embrulhou de novo e levou para o quartel. Aí, dentro do seu armário, fez um gongá caprichado. Arrumou os santos, as tigelas, as velas, as plantas, a lamparina, tudo de modo a parecer um canjerê. Feito o serviço, passou, daí em diante, a esquecer, de vez em quando, de trancar o cadeado...

Sabe como é, não é, doutor? Se hoje todo mundo já bisbilhota tudo, imagina antigamente, no tempo da revolução? E ainda por cima, dentro do quartel do exército! O velho nunca mais foi trabalhar de terno nem de sapato bico fino. O armário não era grande, e depois que virou gongá, não cabia mais sua roupa. Também por um pouco de receio. Acho que ele não queria misturar a roupa que usava com aquelas autoridades.

Resultado: os soldados, sargentos, capitães e o próprio comandante passaram a ter o maior respeito pelo meu pai. Agora eu lhe pergunto, isso é ou não é malandragem? O que é que o filho de Jorge Veneno, um cara como esse, foi fazer com aqueles merdas daqueles ladrõezinhos?

O filho da minha irmã, meu sobrinho. Ah, não lhe falei. Por conta daquelas compras que eu fazia, principalmente a do querosene, acabei ganhando uma irmã, que agora tem esse menino. Mas os tempos estão mudados, doutor, o garoto, com seus seis ou sete anos, logo enjoou de ajudar a avó a catar as letrinhas. Prefere ver filme de monstro na televisão, não sei qual é a graça. Eu não moro mais com eles, mas mamãe ainda está lá, velhinha, mas está.

Ainda este ano, no aniversário do velho, eu fui. Ele estava todo prosa, com uma camisa branca nova presenteada e engomada pela velha. O bolo do parabéns foi à tarde. Ela não faz tanto a sopa, como fazia antigamente, mas o aniversário não deixa passar em branco. No almoço teve, só para ele. Pude ver alguns “as” e “eles”, além dos “jotas” e dos “vês” de Jorge Veneno. É que o A, de cabeça para baixo, se parece um pouco com o V, e o L, invertido, para quem já não está enxergando bem, pode parecer um J.

Nem minha mãe nem o velho percebem e, como o senhor sabe, o que os olhos não veem o coração não sente, não é, doutor? Hoje, papai está aposentado. Não usa mais terno branco nem sapato de bico fino. Vive de pijama e chinelo. Sai às vezes, toma sua cervejinha, joga sueca com os amigos e mais não faz. Dorme cedo.

De vez em quando, vai ao quartel abraçar os velhos amigos. Todo mês, lá pelo dia cinco, chega à casa dele um soldadinho. Leva, dentro de um envelope, com um bonito emblema verde e amarelo, escrito por fora, Ao Senhor Jorge Veneno, uma graninha. Deixa sempre lembranças em nome do comandante e de todos do quartel.

Meu cunhado agora é quem corta a grama.

O gongá ainda está lá.

Publicado em "Café e Bar Ponto Chic", Editora Bertrand Brasil.

55 comentários:

Insana disse...

Interessante texto.

bjs
Insana

Barbara disse...

"Mas o malandro prá valer não espalha
Aposentou a navalha
Tem mulher e filho e tralha e tal
Dizem as más línguas que ele até trabalha
Mora lá longe e chacoalha
Num trem da Central" _ Chico Buarque.

Salve!
Axé!

betty disse...

Gosto de mini contos, Bill. Admiro quem os cria, pois é preciso técnica apurada e muito talento para escrever uma história em tão poucas linhas.

Beijinho

Sueli disse...

Mas o malandro sabia fazer sua mulher feliz, Bill! Isso é que conta para mim! E salve as letrinhas J e V, salve Exu, Xangô e Yemanjá, salve o sabão as velas e o querozene, por que não? ...

Niseloka disse...

nosssa muito bom.

Mandy disse...

Muito bom esse conto!
Como sempre alto conteúdo aqui no blog hein Bill.

^^

Obrigada pelo coemntário lá no Sook querido.

Xoxo

Alexandre Fernandes disse...

Um conto muito bom Bill. Que história fascinante. Fugiu muito do que a gente costuma ler por aí. Gostei!

Abraços.

Ágatha Alves disse...

NOssa que texto interessante,
gostei bastante Bill
e o que não faz um gongá ehm rs
Beijão

Josi Bellaver disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Josi Bellaver disse...

Oooi Bill, quanto tempo, ja tava com saudades desse canto aqui ^^
Beijos.

Josi Bellaver disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Isabel disse...

É bem verdade *

LegalJunior disse...

interessante e legal
http://legaljunior.blogspot.com/

● mf ● disse...

mas se nao esquecer logo , torna-se mais dificil .

● mf ● disse...

mas se nao esquecer logo , torna-se mais dificil .

Cadinho RoCo disse...

A vida dá voltas, voltas e mais voltas.
Cadinho RoCo

Vanuza Pantaleão disse...

Beleza de carioquice, Bill!

Um retrato da nossa boa e gostosa malandragem.
Gostei demais, amigo!
Vou ver o Lennon, ele tá me chamando!!!Bjssss

*lua* disse...

Que delícia de malandragem. Texto muito bem elaborando em cima da realidade simples da vida! Bill, obrigada por visita! Seguindo-te.
*Sobre verif. palavras, teu pedido é uma ordem, prá já! Beijos

*lua* disse...

Que delícia de malandragem. Texto muito bem elaborando em cima da realidade simples da vida! Bill, obrigada por visita! Seguindo-te.
*Sobre verif. palavras, teu pedido é uma ordem, prá já! Beijos

a extensão do pensamento. disse...

Extremamente interessante (:

Bárbara disse...

Nossa, que texto mais lindo.
O mais bonito é o amor colocado na sopa de letrinhas, que mesmo mais velhos, ainda existe :D

Belle disse...

Conto bem brasileiro!!!!
Malandrinho bommmmmmmmm....
Bjão Bill, e estou de volta a esse mundinho blogueano...voltarei sempre e sempre p/ ler seus escritos.
;)

Clarisse Bastos disse...

muito legal o texto, adorei =DD

beijos grandes.

Pi* disse...

gostei..
obrigada pelo comentário.. :P

Allyne Alves disse...

É um bom texto. Bem contado - e bem detalhado!

Beijao, Bill.

Carol Garcia disse...

rs adorei, conhecemos esse jeitinho.
confesso que quando vi o tamanho do texto assustei e quando vamos lendo vamos nos identificando.
bjs*-*

Luma Rosa disse...

O tipo de conto atemporal!! Beijus,

Naírla Silva disse...

Muuuuito bom o texto *-*
bjs

http://coposcheiosdevodkaerocknroll.blogspot.com/

Mandy disse...

Bill obrigada pelos parabéns!!!
rs

BjO

Aracy Crespo disse...

Oi Bil!

Senti a falta de seus comentários sempre gentis!

Seu post como sempre interessante e engraçado!

Adorei ! A verdade é que no passado as coisas eram mais simples e nós vivíamos melhor!

Parabéns pelo post!

Linda noite de quarta-feira!

Beijos da amiga,
Aracy Crespo

Jυℓyαnα ツ disse...

Adorei o texto!!!
Ficou muito show mesmo, parabéns!!!





;*

Carolina Hermanas disse...

Muito bom *O*



Beeeeeijão xD

Vanessa Monique disse...

Massa o texto. Obrigada por tua visita.
Tem sorteio lá no blog.
www.vanessamonique.blogspot.com
:*

Ricardo Rayol disse...

" É um tal de lófiti. Não sei por que os ricos têm essa mania de imitar a gente... A gente faz por necessidade."

O pior é que é isso mesmo!

Perfeito.

@juusep disse...

AA que texto bom!

@juusep disse...

AA que texto bom!

Cinthia Bittencourt disse...

adoro detalhees!
Biill, estou voltando.
net de novo e saudade disso tudo aqui

adorei a parte da sopa de letrinhas, que curioso :)

beijoo

Nayara Marques disse...

Maravilhoso conto. Malandragem à flor da pele, e sopa de letrinhas "J" e "V" no prato.

beijs.

Juliana Oliveira disse...

Olá sumido!! Nossa, como as coisas mudaram por aqui. Tô voltando com força total. Apareça, té maaaaiiiiis*

Juliana Oliveira disse...

Olá sumido!! Nossa, como as coisas mudaram por aqui. Tô voltando com força total. Apareça, té maaaaiiiiis*

Laís disse...

Homem respeitável hein?Lembrou o meu pai,bom na lábia e batalhador até o último fio de cabelo.

estava estudando,provas intermináveis.

beeijo :*

Mandy disse...

Pode seguir sim Bill, q automaticamente sigo de volta. Ok Bill irei tirar...rs

Boa semana!
Xoxo

Nata disse...

Bill!!!

Olha só, quero fazer um post pra outubro com um top 5 de filmes de infancia da galera cinéfila (tipo Lua de Cristal, rs). A ideia é criar um post com vários top 5 com a indicação do nome do blogueiro mais o link pra divulgação (no caso, do jornal da lua). Topa participar?

Bjo!

Ana Beatriz disse...

Gostei bastante da linguagem, o texto ficou divertido de se ler, e quando eu percebi, já havia o acabado. Gostei mesmo. E sim, sou a garota do pirulito, mas que agora assina o blog somente como "Ana Beatriz." Bjs

Lu Dantas disse...

Oi, Bill.
Gostei muito do conto, viu!
Bjo grande

Raíssa Santos disse...

Bastante interessante (:
Beijos

Tatá disse...

muito interessante, curiosidades a mil neste texto! (:

Akire Anitsirk disse...

Adoro contos e esse foi muito bom ^-^
.
.
.
Bjocas

Flavio Pinheiro disse...

Mais um belo conto de Chico PF.
Abraços,
Flavio Pinheiro

Vicky Doretto disse...

Adorei o post ^-^

Bjão

Amanda Bia disse...

huahauhauhau! Bill que comédia seu comentário no papillonias!
o meu blog continua sendo o http://www.ehsohsaudade.blogspot.com/
muito obrigada pelo comentário no papillonias! hahahahah!
beijo

Magui disse...

Bem carioca. Viver com proteção extra faz sentido.

Lívia Inácio disse...

já estava com saudades de passar por aqui!

Aracy Crespo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Aracy Crespo disse...

Olá Bill!

Realmente Vínicios Cantuaria é um grande compositor. Esta música foi gravada por vários interpretes.

Ah! Fui selecionada pelo VejaBlog, nos meus dois blogs, fiquei muito feliz e com a sensação de dever cumprido!!

Um lindo domingo!

Beijos,
Aracy